• SÃO PAULO • 22 DE ABRIL DE 2011 • ANO 35 • Lt.04 • Nº 28 • A •

SEXTA-FEIRA SANTA (Folheto duplo)

PAIXÃO DO SENHOR

GRANDE SILÊNCIO

Orientações: O altar deve estar sem toalhas, flores ou velas. Será preparado somente na hora da comunhão; terminada a comunhão ele é novamente desnudado. O ambiente, neste dia, deve ser de total silêncio.

Antes de iniciar a liturgia, o animador convida a assembléia a ficar de joelhos, em profundo silêncio, adorando o mistério da entrega do Senhor. Depois do momento de silêncio, todos se levantam e o que preside reza a oração seguinte.

 

1. ORAÇÃO (MR 271)

P. (Não se diz Oremos): Ó Deus, pela paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, destruístes a morte que o primeiro pecado transmitiu a todos. Concedei que nos tornemos semelhantes ao vosso Filho e, assim como trouxemos, pela natureza, a imagem do homem terreno, possamos trazer, pela graça, a imagem do homem novo. Por N.S.J.C.

T. Amém.

Anim. Mergulhemos no mistério da Paixão de Cristo, ouvindo as leituras que nesta tarde a Igreja nos apresenta. Assim,  participemos do drama que mudou a história do mundo e fez brotar a vida nova para todos.

2. PRIMEIRA LEITURA (Is 52, 13-53,12)

Leitura do livro do profeta Isaías.

– 13Ei-lo, o meu Servo será bem sucedido; sua ascensão será ao mais alto grau. 14Assim como muitos ficaram pasmados ao vê-lo – tão desfigurado ele estava que não parecia ser um homem ou ter aspecto humano –, 15do mesmo modo ele espalhará sua fama entre os povos. Diante dele os reis se manterão em silêncio, vendo algo que nunca lhes foi narrado e conhecendo coisas que jamais ouviram. 53,1″Quem de nós deu crédito ao que ouvimos? E a quem foi dado reconhecer a força do Senhor? 2Diante do Senhor ele cresceu como renovo de planta ou como raiz em terra seca. Não tinha beleza nem atrativo para o olharmos, não tinha aparência que nos agradasse. 3Era desprezado como o último dos mortais, homem coberto de dores, cheio de sofrimentos; passando por ele, tapávamos o rosto; tão desprezível era, não fazíamos caso dele. 4A verdade é que ele tomava sobre si nossas enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores; e nós pensávamos fosse um chagado, golpeado por Deus e humilhado! 5Mas ele foi ferido por causa de nossos pecados, esmagado por causa de nossos crimes; a punição a ele imposta era o preço da nossa paz, e suas feridas, o preço da nossa cura. 6Todos nós vagávamos como ovelhas desgarradas, cada qual seguindo seu caminho; e o Senhor fez recair sobre ele o pecado de todos nós. 7Foi maltratado, e submeteu-se, não abriu a boca; como cordeiro levado ao matadouro ou como ovelha diante dos que a tosquiam, ele não abriu a boca. 8Foi atormentado pela angústia e foi condenado. Quem se preocuparia com sua história de origem? Ele foi eliminado do mundo dos vivos; e por causa do pecado do meu povo foi golpeado até morrer. 9Deram-lhe sepultura entre ímpios, um túmulo entre os ricos, porque ele não praticou o mal, nem se encontrou falsidade em suas palavras. 10O Senhor quis macerá-lo com sofrimentos. Oferecendo sua vida em expiação, ele terá descendência duradoura, e fará cumprir com êxito a vontade do Senhor. 11Por esta vida de sofrimento, alcançará luz e uma ciência perfeita. Meu Servo, o Justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas. 12Por isso, compartilharei com ele multidões e ele repartirá suas riquezas com os valentes seguidores, pois entregou o corpo à morte, sendo contado como um malfeitor; ele, na verdade, resgatava o pecado de todos e intercedia em favor dos pecadores. – Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

 

3. SALMO RESPONSORIAL 30(31)

(HL2,p.28) Fx 11

Eu me entrego, Senhor, em tuas mãos e espero pela tua salvação! (bis)

1. Junto de ti, ó Senhor, eu me abrigo, não tenha eu de que me envergonhar; por tua justiça me salva e teu ouvido ouça meu grito: “Vem logo libertar!”

2. Sê para mim um rochedo firme e forte, uma muralha que sempre me proteja; por tua honra, Senhor, vem conduzir-me, vem desatar-me, és minha fortaleza!

3. Em tuas mãos eu entrego o meu espírito, ó Senhor Deus, és tu quem me vai salvar; tu não suportas quem serve a falsos deuses. Somente em ti, ó Senhor, vou confiar!

4. Meus opressores são tantos, que eu me acanho; de mim se enojam vizinhos e amigos; quem me encontra na rua, vira a cara, sou feito um traste, de todos esquecido.

5. De minha parte, Senhor, em ti confio, tu és meu Deus, meu destino, em tuas mãos! Vem libertar-me de quantos me perseguem, por teu amor, faz brilhar tua salvação!

 

4. SEGUNDA LEITURA (Hb 4,14-16;5,7-9)

Leitura da Carta aos Hebreus

Irmãos: 14Temos um Sumo Sacerdote eminente, que entrou no céu, Jesus, o Filho de Deus. Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos. 15Com efeito, temos um Sumo Sacerdote capaz de se compadecer de nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como nós, com exceção do pecado. 16Aproximemo-nos então, com toda a confiança, do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a graça de um auxílio no momento oportuno. 5,7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus, por aquilo que ele sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.

– Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

5. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Fx. l2) (HL2, p.189)

Salve, ó Cristo obediente! Salve, amor onipotente, que se entregou à cruz e nos recebeu na luz!

1. O Cristo obedeceu até a morte, humilhou-se e obedeceu o bom Jesus, humilhou-se e obedeceu, sereno e forte, humilhou-se e obedeceu até a cruz.

2. Por isso o Pai do céu o exaltou, exaltou-o e lhe deu um grande nome, exaltou-o e lhe deu poder e glória, diante dele céus e terra se ajoelhem!

 

6. EVANGELHO (Jo 18, 1-19,42)

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo João.

L1: Naquele tempo, 1Jesus saiu com os discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos. 2Também Judas, o traidor, conhecia o lugar, porque Jesus costumava reunir-se aí com os seus discípulos. 3Judas levou consigo um destacamento de soldados e alguns guardas dos Sumos Sacerdotes e fariseus, e chegou ali com lanternas, tochas e armas. 4Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer, saiu ao encontro deles e disse: P: “A quem procurais?” L1: 5Responderam: T: “A Jesus, o Nazareno.” L1: Ele disse: P: “Sou eu.” L1: Judas, o traidor, estava junto com eles. 6Quando Jesus disse “sou eu”, eles recuaram e caíram por terra. 7De novo lhes perguntou: P: “A quem procurais?” L1: Eles responderam:
T:
“A Jesus, o Nazareno.” L1: 8Jesus respondeu: P: “Já vos disse que sou eu. Se é a mim que procurais, então deixai que estes se retirem.” L1: 9Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito: “Não perdi nenhum daqueles que me confiaste”. 10Simão Pedro, que trazia uma espada consigo, puxou dela e feriu o servo do Sumo Sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. 11Então Jesus disse a Pedro: P: “Guarda a tua espada na bainha. Não vou beber o cálice que o Pai me deu?” L1: 12Então, os soldados, o comandante e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o amarraram. 13Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de Caifás, o Sumo Sacerdote naquele ano. Foi Caifás que deu aos judeus o conselho: L2:“É preferível que um só morra pelo povo”. L1:15Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus. Esse discípulo era conhecido do Sumo Sacerdote e entrou com Jesus no pátio do Sumo Sacerdote. 16Pedro ficou fora, perto da porta. Então o outro discípulo, que era conhecido do Sumo Sacerdote, saiu, conversou com a encarregada da porta e levou Pedro para dentro. 17A criada que guardava a porta disse a Pedro: L2: “Não pertences também tu aos discípulos desse homem?” L1: Ele respondeu: L2: “Não”. L1: 18Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira e estavam se aquecendo, pois fazia frio. Pedro ficou com eles, aquecendo-se. 19Entretanto, o Sumo Sacerdote interrogou Jesus a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento. 20Jesus lhe respondeu: P: “Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na sinagoga e no Templo, onde todos os judeus se reúnem. Nada falei às escondidas. 21Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que falei; eles sabem o que eu disse.” L1: 22Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava deu-lhe uma bofetada, dizendo: L2: “É assim que respondes ao Sumo Sacerdote?” L1: 23Respondeu-lhe Jesus: P: “Se respondi mal, mostra em quê; mas, se falei bem, por que me bates?” L1: 24Então, Anás enviou Jesus amarrado para Caifás, o Sumo Sacerdote. 25Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se. Disseram-lhe: L2: “Não és tu, também, um dos discípulos dele?” L1: Pedro negou: L2: “Não!” L1: 26Então um dos empregados do Sumo Sacerdote, parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha, disse: L2: “Será que não te vi no jardim com ele?” L1: 27Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou. 28De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador. Era de manhã cedo. Eles mesmos não entraram no palácio, para não ficarem impuros e poderem comer a páscoa. 29Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse: L2: “Que acusação apresentais contra este homem?” L1: 30Eles responderam: T: “Se não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti!” L1: 31Pilatos disse: L2: “Tomai-o vós mesmos e julgai-o de acordo com a vossa lei.” L1: Os judeus lhe responderam: T: “Nós não podemos condenar ninguém à morte. “ L1: 32Assim se realizava o que Jesus tinha dito, significando de que morte havia de morrer. 33Então Pilatos entrou de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou-lhe: L2: “Tu és o rei dos judeus?” L1: 34Jesus respondeu: P: “Estás dizendo isto por ti mesmo, ou outros te disseram isto de mim?”L1: 35Pilatos falou: L2: “Por acaso, sou judeu? O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim. Que fizeste?” L1: 36Jesus respondeu: P: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas teriam lutado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui. L1: 37Pilatos disse a Jesus: L2: “Então tu és rei?” L1: Jesus respondeu: P: “Tu o dizes: eu sou rei. Eu nasci e vim ao mundo para isto: para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz.” L1: 38Pilatos disse a Jesus: L2: “O que é a verdade?” L1: Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus, e disse-lhes: L2: “Eu não encontro nenhuma culpa nele. 39Mas existe entre vós um costume, que pela Páscoa eu vos solte um preso. Quereis que vos solte o rei dos judeus?” L1: 40Então, começaram a gritar de novo: T: “Este não, mas Barrabás!” L1: Barrabás era um bandido. 19,1Então Pilatos mandou flagelar Jesus. 2Os soldados teceram uma coroa de espinhos e colocaram-na na cabeça de Jesus. Vestiram-no com um manto vermelho, 3aproximavam-se dele e diziam: T: “Viva o rei dos judeus!” L1: E davam-lhe bofetadas. 4Pilatos saiu de novo e disse aos judeus: L2: “Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós, para que saibais que não encontro nele crime algum.” L1: 5Então Jesus veio para fora, trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho. Pilatos disse-lhes: L2: “Eis o homem!” L1: 6Quando viram Jesus, os Sumos Sacerdotes e os guardas começaram a gritar: T: “Crucifica-o! Crucifica-o!” L1: Pilatos respondeu: L2: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum.” L1: 7Os judeus responderam: T: “Nós temos uma lei, e, segundo esta lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus.” L1: 8Ao ouvir estas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda. 9Entrou outra vez no palácio e perguntou a Jesus: L2: “De onde és tu?” L1: Jesus ficou calado. 10Então Pilatos disse: L2: “Não me respondes? Não sabes que tenho autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar?” L1: 11Jesus respondeu: P: “Tu não terias autoridade alguma sobre mim, se ela não te fosse dada do alto. Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior.” L1: 12Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus. Mas os judeus gritavam: T: “Se soltas este homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César.” L1: 13Ouvindo estas palavras, Pilatos levou Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado “Pavimento”, em hebraico “Gábata”. 14Era o dia da preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Pilatos disse aos judeus: L2: “Eis o vosso rei!” L1: 15Eles, porém, gritavam: T: “Fora! Fora! Crucifica-o!” L1: Pilatos disse: L2: “Hei de crucificar o vosso rei?” L1: Os Sumos Sacerdotes responderam: T: “Não temos outro rei senão César.” L1: 16Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. 17Jesus tomou a cruz sobre si e saiu para o lugar chamado “Calvário”, em hebraico “Gólgota”. 18Ali o crucificaram, com outros dois: um de cada lado, e Jesus no meio. 19Pilatos mandou ainda escrever um letreiro e colocá-lo na cruz; nele estava escrito: “Jesus, o Nazareno, o rei dos judeus”. 20Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade. O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego. 21Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: T: “Não escrevas ‘o Rei dos Judeus’, mas sim o que ele disse: ‘Eu sou o rei dos judeus’ “. L1: 22Pilatos respondeu: L2: “O que escrevi, está escrito.” L1:23Depois que crucificaram Jesus, os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes, uma parte para cada soldado. Quanto à túnica, esta era tecida sem costura, em peça única de alto a baixo. 24Disseram então entre si: T: “Não vamos dividir a túnica. Tiremos a sorte para ver de quem será.” L1: Assim se cumpria a Escritura que diz: “Repartiram entre si as minhas vestes e lançaram sorte sobre a minha túnica”. Assim procederam os soldados. 25Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: P: “Mulher, este é o teu filho.” L1: 27Depois disse ao discípulo: P: “Esta é a tua mãe.” L1: Dessa hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. 28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: P: “Tenho sede”. L1: 29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: P: “Tudo está consumado.” L1: E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

(Todos se ajoelham em silêncio.)

L1: 31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz. 32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus. 33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. 35Aquele que viu, dá testemunho e seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade, para que vós também acrediteis. 36Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: “Não quebrarão nenhum dos seus ossos”. 37E outra Escritura ainda diz: “Olharão para aquele que transpassaram”. 38Depois disso, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus – mas às escondidas, por medo dos judeus – pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus. Pilatos consentiu. Então José veio tirar o corpo de Jesus. 39Chegou também Nicodemos, o mesmo que antes tinha ido de noite encontrar-se com Jesus. Levou uns trinta quilos de perfume feito de mirra e aloés. 40Então tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho, como os judeus costumam sepultar. 41No lugar onde Jesus foi crucificado, havia um jardim e, no jardim, um túmulo novo, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. 42Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo estava perto, foi ali que colocaram Jesus.

– Palavra da salvação.

T. Glória a vós, Senhor.

 

7. ORAÇÃO UNIVERSAL (MR, p. 255)

P. A salvação de Cristo é oferecida a todos. Cons­cientes dessa verdade, rezemos por todos os povos e nações, para que ressuscitem para uma vida nova.

 

I – Pela Santa Igreja

Oremos, irmãos e irmãs caríssimos, pela santa Igreja de Deus: que o Senhor nosso Deus lhe dê a paz e a unidade, que ele a proteja por toda a terra e nos conceda uma vida calma e tranqüila, para sua própria glória.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, que em Cristo revelas­tes a vossa glória a todos os povos, velai sobre a obra do vosso amor. Que a vossa Igreja, espalhada por todo o mundo, permaneça inabalável na fé e procla­me sempre o vosso nome. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

 

II – Pelo Papa

Oremos pelo nosso santo Padre, o Papa Bento XVI. O Senhor nosso Deus, que o escolheu para o Episcopado, o conserve são e salvo à frente da sua Igreja, governando o povo de Deus.

(Silêncio)

Deus Eterno e todo-poderoso, que dispusestes todas as coisas com sabedoria, dignai-vos escutar nossos pedidos: protegei com amor o Pontífice que escolhestes, para que o povo cristão que governais por meio dele possa crescer em sua fé. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

III – Por todas as ordens e catego­rias de fiéis.

Oremos pelo nosso Arcebispo, o Cardeal D. Odilo Pedro Scherer  e seus bispos auxiliares, por todos os bispos, presbíteros e diáconos da Igreja e por todo o povo fiel.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, que santificais e governais pelo vosso Espírito todo o corpo da Igreja, escutai as súplicas que vos dirigimos por todos os ministros do vosso povo. Fazei que cada um, pelo dom da vossa graça, vos sirva com fidelidade. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

IV – Pelos Catecúmenos

Oremos pelos (nossos) catecúmenos: que o Senhor nosso Deus abra os seus corações e as portas da misericórdia, para que, tendo recebido nas águas do batismo o perdão de todos os seus pecados, sejam incorporados no Cristo Jesus.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, que por novos nascimentos tornais fecunda a vossa Igreja, aumentai a fé e o entendimento dos (nossos) catecúmenos, para que, renascidos pelo batismo, sejam contados entre os vossos filhos adotivos. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

V- Pela unidade dos Cristãos

Oremos por todos os nossos irmãos e irmãs que crêem no Cristo, para que o Senhor nosso Deus se digne reunir e conservar na unidade da sua Igreja todos os que vivem segundo a verdade.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, que reunis o que está disperso e conservais o que está unido, velai sobre o rebanho do vosso Filho. Que a integridade da fé e os laços da caridade unam os que foram consagrados por um só batismo. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

VI – Pelos Judeus

Oremos pelos judeus, aos quais o Senhor nosso Deus falou em primeiro lugar, a fim de que cresçam na fidelidade de sua aliança e no amor do seu nome.

(Silêncio)

Deus Eterno e todo-poderoso, que fizestes vossas promessas a Abraão e seus descendentes, escutai as preces da vossa Igreja. Que o povo da primitiva aliança mereça alcançar a plenitude da vossa redenção. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

VII- Pelos que não crêem no Cristo

Oremos pelos que não crêem no Cristo, para que, iluminados pelo Espírito Santo, possam também ingressar no caminho da salvação.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, dai aos que não crêem no Cristo e caminham sob o vosso olhar com sinceridade de coração, chegar ao conhecimento da verdade. E fazei que sejamos no mundo testemunhas mais fiéis da vossa caridade, amando-nos melhor uns aos outros e participando com maior solicitude do mistério da vossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

VIII – Pelos que não crêem em Deus.

Oremos pelos que não reconhecem a Deus, para que, buscando lealmente o que é reto, possam chegar ao Deus verdadeiro.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, vós criastes todos os seres humanos e pusestes em seu coração o desejo de procurar-vos para que, tendo-vos encontrado, só em vós achassem repouso. Concedei que, entre as dificuldades deste mundo, discernindo os sinais da vossa bondade e vendo o testemunho das boas obras daqueles que crêem em vós, tenham a alegria de proclamar que sois o único Deus verdadeiro e Pai de todos os seres humanos. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

IX – Pelos Poderes Públicos

Oremos por todos os governantes: que o nosso Deus e Senhor, segundo sua vontade, lhes dirija o espírito e o coração para que todos possam gozar de verdadeira paz e liberdade.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, que tendes na mão o coração dos seres humanos e o direito dos povos, olhai com bondade aqueles que nos governam. Que por vossa graça se consolidem por toda a terra a segurança e a paz, a prosperidade das nações e a liberdade religiosa. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

X – Por todos os que sofrem pro­vações

Oremos, irmãos e irmãs, a Deus Pai todo-poderoso, para que livre o mundo de todo erro, expulse as doenças e afugente a fome, abra as prisões e liberte os cativos, vele pela segurança dos viajantes e transeuntes, repatrie os exilados, dê saúde aos doentes e a salvação aos que agonizam.

(Silêncio)

Deus eterno e todo-poderoso, sois a consolação dos aflitos e a força dos que labutam. Cheguem até vós as preces dos que clamam em sua aflição, sejam quais forem os seus sofrimentos, para que se alegrem em suas provações com o socorro da vossa misericórdia. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

 

8. ADORAÇÃO DA CRUZ

(O que preside vai até a porta da Igreja e tomando a cruz, a descobre aos poucos cantando três vezes)

Eis o lenho da cruz (HL2 p. 134)

P. Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo.

T. Vi nde, adoremos!

(Em procissão, a Assembléia segue para a adoração da cruz, cantando)

Fiel madeiro (HL2, p. 145-146) (Fx 17)

Fiel madeiro da santa cruz, ó árvore sem rival. Que selva outro lenho produz, que traga em si fruto igual? Quão doce peso conduz, ó lenho celestial! Fiel madeiro da santa cruz, ó árvore sem rival!

1. Cantem meus lábios a luta que sobre a cruz se travou; cantem o nobre triunfo que no madeiro alcançou o Redentor do universo, quando por nós se imolou.

2. O Criador teve pena do primitivo casal, que foi ferido de morte, comendo o fruto fatal, e marcou logo outra árvore, para curar-nos do mal.

3. Tal ordem foi exigida na obra da salvação: cai o Inimigo no laço de sua própria invenção. Do próprio lenho da morte Deus fez nascer redenção.

4. Na plenitude dos tempos, a hora santa chegou e, pelo Pai enviado, nasceu do mundo o autor; e duma Virgem no seio a nossa carne tomou.

5. Seis lustros tendo passado, cumpriu a sua missão. Só para ela nascido, livre se entrega à Paixão. Na cruz se eleva o Cordeiro, como perfeita oblação.

6. Glória e poder à Trindade. Ao Pai e ao Filho, louvor. Honra ao Espírito Santo. Eterna glória ao Senhor, que nos salvou pela graça e nos reuniu no amor.

 

Lamentos (Vamos Cantar nº542 Cantos e Orações nº232)

1. Povo meu, que te fiz eu? Dize em que te contristei? Por que à morte me entregaste? Em que foi que te faltei?

Deus santo, Deus forte, Deus imortal, tende piedade de nós!

2. Eu te fiz sair do Egito, com maná te alimentei. Preparei-te bela terra, tu, a cruz para o teu rei.

3. Bela vinha eu te plantara, tu plantaste a lança em mim. Águas doces eu te dava, foste amargo até o fim.

4. Flagelei por ti o Egito, primogênitos matei. Tu, porém, me flagelaste, entregaste o próprio Rei.

5. Eu abri o Mar Vermelho, tu me abriste o coração. A Pilatos me levaste, eu levei-te pela mão.

6. Só na cruz tu me exaltaste, quando em tudo te exaltei. Que mais podia eu ter feito? em que foi que te faltei?

 

Vitória (HL2, p. 199)

Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! (bis)

1. Nós vamos à cidade e lá eu irei sofrer; serei crucificado, mas hei de reviver!

2. Vocês não são do mundo, do mundo os escolhi! Se o mundo os odeia, primeiro odiou a mim!

3. Vocês vão ter no mundo tristezas e aflições, mas eu venci o mundo, coragem, e vencerão!

4. Se o grão, que cai por terra, não morre, fica só… Se morre, germina e cresce, seu fruto será maior!

5. Pois era necessário um só sofrer por todos e, assim, os separados formarem um só povo.

6. Escutem meu mandamento, reparem como os amei! Por todos eu dei a vida, se amem, assim, vocês!

7. Se alguém quer ser meu servo, me siga e, então, verá, esteja onde eu ‘stiver, meu Pai o honrará!

 

2º Bendita e louvada seja (H2 p. 121) CO235

1. Bendita e louvada seja no céu a divina luz, e nós, também, cá na terra, louvemos a santa cruz.

2. Os céus cantam a vitória de Nosso Senhor Jesus; cantemos nós, igualmente, louvores à Santa Cruz.

3. Sustenta gloriosamente nos braços ao bom Jesus; sinal de esperança e vida o lenho da Santa Cruz.

4. Humildes e confiantes, levemos a nossa cruz; seguindo o sublime exemplo de Nosso Senhor Jesus.

5. Cordeiro imaculado, por todos morreu Jesus; pagando as nossas culpas, e Rei pela sua Cruz.

6. É arma em qualquer perigo, é raio de eterna luz; bandeira vitoriosa, o santo sinal da Cruz.

7. Ao povo, aqui reunido, dai graça, perdão e luz; salvai-nos, ó Deus clemente, em nome da Santa Cruz.

 

9. RITO DA COMUNHÃO

P. Rezemos, com amor e confiança, a oração que o Senhor nos ensinou:

T. Pai nosso que estais nos céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso Reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

P. Livrai-nos de todos os males, ó Pai, e dai-nos hoje a vossa paz. Ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto vivendo a esperança, aguardamos a vinda do Cristo Salvador.

T. Vosso é o reino, o poder e a glória para sempre!

P. Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

T. Senhor, eu não sou digno(a) de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo(a).

10. CANTO DE COMUNHÃO Sl 22(21)

(HL2, p. 21)

Meu Deus, ó meu Deus, por que me abandonaste?…

1. Meu Deus, ó meu Deus, por que me abandonaste? Não acha este traste paz em seu lamento. De dia eu não agüento de tanto chorar, de noite a gritar e sem ter alento.

2. E tu que estás no trono assentado, os pais no passado em Ti confiavam; Quando eles chamavam, eram libertados, assim confiados, não se envergonhavam.

3. Por ti fui formado no ventre materno e co’amor tão terno, eu fui aleitado, a ti consagrado bem pequenininho, e, hoje, sozinho e tão angustiado.

4. Furaram minhas mãos, cravaram meus pés, meus ossos, de vez, eu posso contar; pessoas a olhar, mexendo as cabeças, minhas vestes sorteiam e se põem a zombar.

5. Vou anunciar teu nome aos irmãos e na reunião de ti vou falar. Quem com Deus está, entoe o estribilho, Jacó e seus filhos num eterno cantar!

6. Deus não desprezou o pobre coitado, ficou do seu lado e ouviu seu clamor; A ti meu louvor em frente do povo, renovo de novo meus votos de amor.

7. Os pobres famintos verão a fartura, numa terra futura a Deus louvarão! E os povos, então, de terras distantes, alegres, confiantes, pra ti voltarão.

8. És Rei e Senhor de todas as gentes, da terra os potentes te adorarão. A ti servirão os meus descendentes, que és justo, contentes, aos filhos dirão.

2º Canto de Comunhão Sl 22(21) VC 538

1. Minha alma se esvai em tristeza e meus anos se vão em gemidos; enganado por meus opressores, só em ti eu encontro abrigo!

Atende, Senhor, ao clamor do meu coração: “O meu espírito entrego em tuas mãos!”

2. Quanta angústia!… meus olhos são tristes, e me vejo qual vaso partido. Mas tua face é a luz que procuro, de tua vista eu não seja excluído!

3. Às ocultas me dizem blasfêmias, por tua graça tão plena me salves! Em correntes pesadas me ataram, vem depressa, Senhor, libertar-me!

4. Tem piedade de mim, Senhor Santo! Sê a casa que possa abrigar-me! Ao meu lado só tramam a morte, mas confio que vens libertar-me!

 

3º Canto (HL2, p. 183) ( Fx 18)

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão.

1. Eis que eu vos dou o meu novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

2. Vós sereis os meus amigos, se seguirdes meu preceito: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

3. Como o Pai sempre me ama, assim também, eu vos amei: Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

4. Permanecei em meu amor e segui meu mandamento: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

5. E chegando a minha Páscoa, vos amei até o fim: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

6. Nisto todos saberão, que vós sois os meus discípulos: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado!”

 

11. ORAÇÃO Após a comunhão

(MR p. 268)

P. Oremos (silêncio): Ó Deus, que nos renovastes pela santa morte e ressurreição do vosso Cristo, conservai em nós a obra de vossa misericórdia, para que, pela participação deste mistério, vos consagremos sempre a nossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

12. ORAÇÃO sobre o povo

P. Que a vossa bênção, ó Deus, desça copiosa sobre o vosso povo, que acaba de celebrar a morte de vosso Filho, na esperança de sua ressurreição. Venha o vosso perdão, seja dado o vosso consolo; cresça a fé verdadeira e a redenção se confirme. Por Cristo, nosso Senhor.

T. Amém.

(Todos se retiram em silêncio.
O altar é oportunamente desnudado).

Músicas CD Tríduo Pascal I ( TP I)  – Cantos e Orações (CO)

Cantos Opcionais

Adoração da Cruz

Que mais podia eu ter feito? (CO 233)

Que mais podia eu ter feito? * Que mais podia eu te dar?!…

1. Plantei-te como vinha nova, * toda graciosa, nada havia igual; * e castiguei os malfeitores * que te perseguiram pra fazer-te mal.

2. Abri o mar na tua passagem, * e da escravidão eu te levei à paz, e e fiz caminho no deserto, * para o lugar certo, para o bem total. * E esqueceste o amor, e entregaste o Senhor * O mundo inteiro se esqueceu da luz, * e pregou o Salvador na Cruz!

3. Eu dei o pão da nova vida, * e a pedra ferida a sede apagou; * e fiz para o meu povo eleito * os maiores feitos, como ninguém viu.

4. Eu dei o sol da liberdade, * a luz da verdade, onde nasce o amor; * e dei o pão da caridade, * na fraternidade do mundo melhor. * E esquecestes o amor, e entregaste o Senhor. * O mundo inteiro se esqueceu da luz, * e pregou o Salvador na cruz!

 

Cristo está crucificado (CO 234)

1. Cristo está crucificado, * maltrapilho e sem abrigo. * E vem me pedir comida * com o rosto de mendigo. * Cristo está crucificado * pelo vício, e não tem paz. * E vem me pedir amor, com o rosto de rapaz.

//: Cristo está crucificado, * mas será ressuscitado.://

2. Cristo está crucificado, * oprimido em seu salário. * E vem me pedir justiça, * com o rosto de operário. * Cristo está crucificado, * na velhice e solidão. * E quer conversar comigo, * com o rosto de ancião.

3. Cristo está crucificado * no abandono e insegurança. * E vem me pedir a vida, * com o rosto de criança. * Cristo está crucificado, *sem direito, chão nem vez. * E pede o que lhe pertence, * feito humilde camponês.

4. Cristo está crucificado * pela vida que não quer. * E vem me pedir a mão, * com o rosto de mulher. * Cristo está crucificado, * esperando fazer jus * ao amor dos nossos braços, * pra poder descer da cruz.

Retirado:http://www.arquidiocesedesaopaulo.org.br/liturgia/folheto_povo_de_deus_anoA_quaresma_triduo_pascal_02_sexta.htm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: